Home / Vereadores / O QUE O CANDIDATO NÃO DEVE FAZER NA CAMPANHA VEREADOR

O QUE O CANDIDATO NÃO DEVE FAZER NA CAMPANHA VEREADOR

Pré-candidato faz campanha e desdenha de punição

Campanha de Abner de Ner Dino Pedra, o ‘Dino’ acontece antes do período permitido para a realização de propaganda eleitoral, com início só em julho

Fonte Normal
PUBLICADO EM 16/05/16 – 03h00

Quem passa pela Serra, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, não deve escapar de receber um inusitado cartão eleitoral do pré-candidato a vereador “Dino”. O material exibe o número do futuro candidato, uma foto do seriado “Família Dinossauros” e um convite, na parte de trás do cartão, para a festa de comemoração da vitória nas urnas – que terá o sorteio de um carro e está marcada para 12 de outubro deste ano, dez dias depois da eleição. Abner de Ner Dino Pedra, de 55 anos, também conhecido apenas como “Dino”, é um advogado e administrador de empresas que pretende ter sucesso na eleição com uma plataforma nada usual – mas que, provavelmente, deve gerar problemas com a legislação eleitoral.

Isso porque a campanha de cartões de Dino acontece antes do período permitido para a realização de propaganda eleitoral, que terá início só em julho. Em conversa com o Aparte, o aspirante à Câmara Municipal afirma não temer qualquer tipo de punição. “Não tem problema algum. Pago a multa e fico limpo, não atrapalha em nada”, diz. De acordo com a Lei 9.504/1997, a propaganda eleitoral antecipada é punida com multa de R$ 5.000 a R$ 25 mil ou equivalente ao custo da propaganda, se este for maior.

A plataforma eleitoral de Dino é simples: distribuir 100 mil cartões pela cidade e convencer os eleitores de Belo Horizonte a depositarem seus votos nele por conta da festa de comemoração. “Se o eleitor votar, tem festa. Se não votar, não tem. Aí ele escolhe o que acha melhor”, relata o candidato, com firmeza.

Questionado sobre seu posicionamento político, ele disse ser apenas “a favor do povo brasileiro”. Ex-membro do PSDB, Dino diz ter votado em Dilma Rousseff (PT) na eleição presidencial por conta de seu plano de governo. “Sou um cara técnico. Analisei todos os planos de governo e cheguei à constatação de que o plano do PT-PMDB é o melhor do mundo”, explica.

Entre suas propostas para Belo Horizonte, está a criação de um cartão de passagem de ônibus que contabiliza a distância feita pelo passageiro. “Você andou 100 m e vai pagar por 100 m”, explica. Para a segurança, Dino pretende propor a construção de uma “enorme cadeia” na divisa entre Brasil e Bolívia. “A parte da frente, voltada para o Brasil, será construída de aço. A parte de trás, para a Bolívia, será de isopor. Aí o bandido poderá escolher se quer ficar preso no Brasil ou fugir para a Bolívia. Se fugir, não será mais problema nosso”, diz. O que o pré-candidato desconhece é que essa proposta não é atribuição de um vereador.

FOTO: REPRODUÇÃO
Dino vereador

About A Casa

Notícias Relacionadas

13º SALÁRIOS DE VEREADORES

Retirado projeto que parcela 13 º salário de servidores da prefeitura Facebook Twitter Google+ WhatsApp …

Deixe uma resposta