Home / Sem categoria / SANEAMENTO BÁSICO

SANEAMENTO BÁSICO

ANEAMENTO BÁSICO

País avança pouco no saneamento e se distancia de meta
Meta do governo é chegar a 2023 com a universalização do acesso à água e 93% de atendimento de rede de esgoto dez anos depois
Enviar por e-mail Imprimir Aumentar letra Diminur letra Fonte NormalMais Notícias

Esgoto à céu abertoPAC (Programa de Aceleração do Crescimento) ainda está longe de concluir os projetos já contratados para saneamento
Barbosa pede empenho do PT para aprovar mudança de cálculo da metaCOB reduz estimativa de medalhas para ficar entre 10 primeirosIPCA desacelera, mas taxa em 12 meses segue em dois dígitos
PUBLICADO EM 16/02/16 – 19h50

FOLHAPRESS
O percentual de pessoas atendidas em áreas urbanas por redes de água e esgoto estagnou em 2014 e deixou o país mais longe da meta de atingir a universalização do saneamento até 2033.

De acordo com dados publicados nesta terça-feira (16) pelo ministério das Cidades, o índice de atendimento por rede de água passou de 93% em 2013 para 93,2% no ano seguinte, e o de esgoto, de 56,3% para 57,6% (ambos nas áreas urbanas). Os dados são do SNIS (Sistema Nacional de Informação em Saneamento), um banco de dados federal abastecido por empresas de saneamento e governos locais.

A meta do país é chegar a 2023 com a universalização do acesso à água e 93% de atendimento de rede de esgoto dez anos depois. Conforme a Folha mostrou, pesquisa da CNI (Confederação Nacional da Indústria) aponta que o plano vai atrasar ao menos 20 anos no ritmo em que está.

Mesmo com dados de 2014, ano em que o país ainda não sofria a crise econômica de forma profunda, os números apontam que os gastos com o setor já não eram condizentes com a meta estabelecida pelo governo. O valor gasto no setor chegou a R$ 12,2 bilhões, valor superior aos R$ 10,5 bilhões gastos no ano anterior. Mas, para alcançar a meta, o valor anual dos desembolsos teria que superar os R$ 25 bilhões ao ano. O secretário nacional de Saneamento do ministério, Paulo Ferreira, reconheceu os problemas para alcançar a meta.

“A evolução é menor do que gostaríamos. Há uma tendência crescente, mas se vamos atingir a meta é prematuro dizer”, afirmou Ferreira, afirmando que a meta do país é ambiciosa e colocaria o Brasil com índices de saneamento de países do primeiro mundo.

De acordo com os dados do ministério, o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), o principal programa de governo para o desenvolvimento do setor, ainda está longe de concluir os projetos já contratados. De 2.914 projetos contratados, apenas 1.058 estavam concluídos até 2015, ou seja, algo próximo a um de cada três.

Ferreira tentou desvincular a falta de saneamento básico aos problemas que o país enfrenta de epidemia de dengue e zika, ambas doenças provocadas por mosquito que cresce em água limpa. Segundo ele, o governo está atuando de forma correta no combate aos vetores da epidemia cujos focos são encontrados dentro das casas na maioria das vezes.

“O saneamento trabalha no longo prazo. Epidemia é muito episódico”, afirmou Ferreira.

REDUÇÃO

Os dados de 2014 já captam a crise hídrica que afetou centenas de cidades do país. O consumo per capita de água caiu de 166,3 litros por habitante ao dia para 162 litros. Em São Paulo, a queda foi de 188 litros em 2013 para 179 litros no ano seguinte.

Apesar da queda, o índice de perda das empresas de saneamento continua grande. Segundo os dados do levantamento, de cada cem litros produzidos, 37 não são cobrados pelas empresas em perdas técnicas e não técnicas, número levemente inferior ao de 2013.

Segundo Ferreira, uma das dificuldades do país é que vários municípios não cobram ou cobram um valor baixo pela água que produzem. Isso faz com que os recursos para o setor sejam escassos e o governo federal seja responsável por mais de 95% dos investimentos.

Outro problema apontado por ele é a dificuldade de gestão de municípios e estados, que enfrentam problemas para dar andamento às obras de saneamento, principalmente pela falta de licenciamento ambiental. (O TEMPO)

http://www.otempo.com.br/capa/brasil/pa%C3%ADs-avan%C3%A7a-pouco-no-saneamento-e-se-distancia-de-meta-1.1236693

 

About A Casa

Notícias Relacionadas

Novo presidente do BNDES toma posse hoje

16.07.2019 – O novo presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) é …

Deixe um comentário